Capital aberto não tem dono, nem gente.

Pawel Kuczynski
Pawel Kuczynski

Empresas de capital aberto, não tem dono, não são de ninguém e só querem o seu dinheiro.

Não há mais lugar físico, não há mais pessoas para falarmos, elas só existem para receber dinheiro.

Mesmo havendo pessoas, elas não resolvem. São pessoas postas apenas para disfarçar que há gente nas empresas. Elas não têm poder de resolver, quase sempre não tem sistema, e sequer sabem do que estamos falando, na maioria das vezes.

Quem inventou o teleatendimento?

Quem gosta de ser atendido por robôs?

Quem disse que “tudo” pode se resolver num site?

Quem pode confirmar que tudo que precisamos falar ou “reclamar”existe num site?

Quem disse que uma conversa pelo What’s App vai resolver tudo? Quem garante? Com quem falamos por ele?

Depois que compramos, e aí é bem fácil comprar pelo site, acaba todo o relacionamento. E na mais ínfima das necessidades que tenha, começará um processo interminável de desgastes para falar, com os impossíveis canais de atendimento. É a fachada sem nada dentro.

Todos os canais são uma farsa. Podem criar quantos desejarem, site, chat, What’s App, 0800, números para capitais, todos existem para dar a sensação de que você está sendo atendido, mas eles já definiram no quê será atendido.

Tudo e somente o que as empresas desejam é que você pague.

Qualquer coisa depois de ter o seu dinheiro será considerada uma reclamação para ouvidoria ouvir e só, talvez pensem que você seja até um golpe. Ouvidoria sem serventia. Só é confessionário.

Agora somos todos bandidos que desejam ganhar dinheiro em cima delas, trocando datas de passagens, produtos bons por outros “iguais” por prazer, pois certamente estavam perfeitos ou desejamos trocar por pirraça, porque não temos mais nada a fazer, senão ficar horas procurando números de telefone, anotando nº de protocolos, escrevendo e–mails, aguardando menus programados darem um número para você encaixar no seu problema, muitas vezes sem opção de “aperte X para falar com um atendente”. Sem atendentes nos atendimentos.

Não há como saber quem são os gerentes, os donos, os responsáveis.

É como se o código do consumidor tivesse sido lido para ser burlado. Como se tudo tivesse sido criado para garantir somente à empresa o direito de abertamente lucrar a qualquer custo, e iludir profundamente o consumidor de que ele tem direitos. Não temos mais nenhum.

Elas, as empresas estão cada vez mais seguras de como devem nos enganar, de como reduzirem custos e lucrarem.

Quando falta luz e você liga para a empresa, a mensagem é genérica e não há com quem falar. Eles deixam de propósito, parece aquela "resposta" de pessoas envolvidas em processos, — "XXX" declara que não irá se manifestar".

Quando você quer trocar uma passagem aérea, cuja bagagem também é paga (quem viaja sem bagagem, né?), sem qualquer serviço a bordo, você que pague mais ou perca o dinheiro. É tudo problema seu.

Se um produto veio com defeito, haja nota, foto, nº de protocolo, ligações, e-mails para você provar que o defeito veio junto. As empresas não erram mais. São e estão acima de todos.

As empresas de serviços essenciais ou supérfluos não existem para você, só para o seu dinheiro.

Capital aberto foi a forma melhor que o capitalismo encontrou para não ter compromisso com nada, ninguém, nenhum país, nenhuma lei ou código.

Pawel Kuczynski

É abertamente uma forma de ganhar dinheiro e só. Custe o que custar, repito. Custe o futuro do planeta e da nossa humanidade.

Como fechar o capital aberto? Dizer não, o quanto possamos a ele.

Comprar em comércios locais, lojinhas pequenas com donos, boicotar e não usar as empresas que agem sem respeitar pessoas e o meio ambiente e, especialmente buscar um modelo de ESTADO que nos proteja deste capitalismo neoliberal desumano, injusto e devorador de planeta e pessoas. Além da desigualdade criada e amplificada por esse sistema, que é inaceitável, agora o nível é outro, mais cruel, mais violento.

Pawel Kuczynski

Cada um pode um pouco, mas só um ESTADO forte, eticamente comprometido com direitos HUMANOS é que pode mudar tudo.

Esse Estado abertamente comprometido com as empresas e empresários é a morte da humanidade. Toda e por todo o sempre.

Precisamos abertamente destruir esse modelo.

canta e escreve. Vive recolhendo detalhes para pensar — cantos, palavras sentem e dançam. www.linktr.ee/vaniaabreuoficial